Escravidão, racismo e outras coisas

quinta-feira, 15 de outubro de 2015 Postado por Lindiberg de Oliveira
A escravidão é inegavelmente uma mancha indelével na história da humanidade. Uma prática desde os primórdios da raça humana, a escravidão sempre foi um exercício motivado, em algum ponto, por todos os povos como os hebreus, egípcios, gregos, romanos, vikins; foi uma prática entre os índios da América Latina – os incas na América do Sul e os maias e astecas na América Central. Os negros, na África, também não abriram mão de ter seus escravos.
Hoje, escravidão é uma ideia concebida a partir dos últimos 500 anos e de forma muito generalizada, como se somente negros tivessem sido escravos. Outra ideia equivocada é aquela de que os negros foram totalmente passíveis na história da escravidão. A concepção de que a África foi invadida pelos europeus dominando os negros arbitrariamente pelo simples fato deles serem negros é uma representação superficial que nem sempre corresponde aos fatos — essa versão fruto de uma visão simplista e ideológica da realidade.
Vejamos, a escravidão foi uma instituição política justificada sob a orientação de uma ordem social e também econômica — sendo esta segunda bem mais definida, pois os escravos eram a principal mão de obra utilizada na agricultura. O que pouca gente parece não saber é que antes mesmo dos europeus alcançar a costa oeste do continente, já era rotineiro os reis africanos subjugar seu próprio povo. Há registros de escravidão na África ainda no século 8, ou seja, muito antes dos europeus colocarem os pés alí. Como aponta o historiador Paul Lovejoy, a escravização era uma atividade organizada entre os africanos, aprovada pela lei e pela tradição — além de ser algo estrutural da vida social, econômica e política. Por ser uma prática extremamente lucrativa, os árabes eram seus principais clientes.
Foi somente a partir do século 16 que as excursões portuguesas chegaram à África. As relações foram pacíficas ao ponto de haver registros de casamentos entre as duas etnias. O comércio era a principal relação girando em torno de produtos como: armas de fogo, peles de animais, tecidos, marfim e também escravos. Deste então o comércio se expandiu pra Europa em geral.
Paradoxalmente, os europeus, que foram os primeiros a comercializar escravos negros no Ocidente, foram também os primeiros a tomar consciência dessa prática repugnante. Foi uma corrente do Iluminismo — uma expressão tipicamente ocidental — que pôs fim à escravidão por meio do movimento abolicionista inglês organizado por cristãos em 1787. Portanto, é seguro lembrar que os primeiros a lutarem contra a escravidão, anotem bem, eram ocidentais, brancos e cristãos. Sem esquecermos, claro, do fato de que ser branco foi algo absolutamente irrelevante nesse processo, principalmente para um abolicionista. Em suma, o ocidente não inventou a escravidão, o ocidente acabou com ela.
O movimento abolicionista teve uma repercussão astronômica, o que faria o tráfico de escravos ser extinto em 1807 em toda Europa, mas, não no mundo. Na América, o comércio escravista ia de vento em popa, sendo o Brasil o último país a aderir a abolição em 1888. Na África, a prática continuou até 1928 na Serra Leoa, e até 1950 no Sudão. No Marrocos só teve fim em 1980, sendo praticado em várias outras partes desta região ainda hoje, de forma ilegal. Resumindo: o homem branco não inventou a escravidão, na verdade pôs fim nela.
Além da pouca vibração sobre esses fatos nos livros que circulam por aí, há também aquela moçadinha que deturpam a história e ainda faz uma equivocada relação entre escravidão e racismo. A relação existe em parte, mas não chega a ser uma relação direta. Racismo é uma insanidade moderna e tem seu desenvolvimento mais expressivo aqui, em terras americanas.
O racismo pode ser definido como uma agressão moral, ou seja, a pretensiosa doutrina que sustenta a superioridade biológica e cultural de determinado povo ou grupo. Essa pretensão teve sua expressão mais violenta nos Estados Unidos. O racismo americano é diferente do racismo brasileiro. Lá o racismo foi estabelecido através do ódio; existe uma apaixonada aversão ao negro que nubla a consciência de vários americanos — principalmente na região sul do país. Como deixa claro o professor Lovejoy, a expressão mais extrema de racismo nos Estados Unidos identifica como african-american “todo mundo que é percebido de algum modo como descendentes de africanos. Uma só gota de sangue africano, e você é negro. Passar a ser branco se torna um conceito. Isto jamais faria sentido em um país com a história do Brasil”.
Os negros, nos Estados Unidos, mesmo depois de livres, foram um povo totalmente marginalizado, sem acesso às dimensões básicas da sociedade: eram proibidos a presença de negros em restaurantes, escolas, igrejas, espaços culturais, clubes, etc. A segregação foi uma realidade formal até a metade do século 20. No Brasil as coisas foram mais distintas. Na obra Escravismo no Brasil, Francisco Vidal Luna declara que mesmo diante da escravidão, os negros brasileiros, ao contrário dos indivíduos livres do sul dos Estados Unidos, “não eram, definitivamente, um grupo isolado ou marginalizado, sem acesso aos recursos da economia aberta”.
No Brasil, os negros tinham mobilidade e passagem para qualquer camada social; por meio do trabalho, uma parcela dos escravos obtinham sua alforria. Exemplo claro seria Dom Obá II (1845-1890), oficial do exército imperial e amigo pessoal do Imperador. Outro fato interessante é o grande registro de mulheres negras que depois de conseguirem carta de alforria, apesar de carregar o estigma de sua cor, usufruíam contraditoriamente de maior liberdade que as mulheres brancas. Narloch afirma que: “Enquanto as donas ficavam em casa debaixo das decisões do marido e cuidando de sua reputação, as negras circulavam na rua, nas lavras e pelas casas, conversando com quem quisessem e tocando a vida independentemente de maridos”. Os registros de mulheres livres revela outro fato: boa parte delas eram donas de escravos também — e isso não era exceção. Como sugere Gilberto Freire, a alegria do africano marcado pelos rituais e danças, contrabalançou o caráter melancólico do português. Ou seja, a alegria e a bondade do africano são em grande partes responsáveis pela doçura que marca as relações senhor/escravo no Brasil.
Há também vários registros de escravos que se tornaram traficantes e donos de navios negreiros. Alguns bem-sucedidos foram José Francisco dos Santos (Zé Alfaiate), João de Oliveira e Joaquim d’Almeida; todos se tornaram ex-escravos e construíram fortuna em cima de tráfico de gente. Se os negros não viam uma objeção moral à escravidão não era por causa de um fator inconsciênte da subjugação européia, e sim por que em parte os próprios negros se beneficiavam com essa prática. Esta era a consciência da época validado pela lei e pela tradição e não podemos fechar os olhos pra este lado da moeda.
Só podemos entender o racismo no Brasil à luz desta perspectiva. Aqui os negros não foram vítimas de ódio e da repulsa generalizada como foram nos Estados Unidos — lá, a xenofobia pulsou em várias direções: aos negros, índios, irlandeses, chineses, latinos, etc. O racismo no Brasil não se legitima através do ódio de uma luta de classe (branco vs. negros). Reduzir esse fenômeno complexo a uma análise ideológica como esta é definitivamente não entender o assunto.
No Brasil, o racismo é latente pela condição do medo e do desprezo, não do ódio. O negro é estereotipado como “bandido”, marginalizado nas favelas; pintado na mídia como o porteiro do condomínio, como a garçonete do boteco ou como a empregada de alguma madame. Muita gente comprou essa ideia e passou a ver o negro como o pobre que de alguma forma quer obter vantagem pela desonestidade. Alguns olham com o amparo de uma lente vitimista, outros enxergam sob a ótica da impiedade. Os primeiros acham que o problema pode ser remediado com cotas, dando mais oportunidades, implantando ações afirmativas para amenizar a desigualdade. O segundo grupo acham que não existe problema algum — é “faca na caveira”. Os dois grupos são hostis e muitos levam em si um discurso bélico promovendo mais divisão ainda.
Devo concluir dizendo que minha análise não foi gerada através de uma confrontação ideológica, mas puramente de uma curiosidade. Ou seja, não é uma construção de crenças e sim uma investigação de um suposto conflito histórico. Diante de um mundo cada vez mais dividido, sigo caminhando olhando para o ser humano como ser humano e nada mais. Essa divisão entre raças só dá mais munição pro racismo vencer a guerra — no final todos nós seremos perdedores. Há de se entender que um homem não é seu tom de pele, mas a sua consciência — que é colorida apenas por suas perturbações. Assim, distraído leitor, racista é quem faz distinção entre bancos e negros; há raça humana, e racista é quem vai além disso.

©2015 Lindiberg de Oliveira