Lições de 2010

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010 Postado por Lindiberg de Oliveira
O ano de 2010 está acabando, e não pude escrever muita coisa. Alguns impasses aconteceram na minha vida impossibilitando que eu fosse produtivo na manutenção deste blog. Este foi um ano cheio de surpresas, sendo que a maioria delas, surpresas infelizes.

Vou tentar colocar nesse post algumas coisas que aprendi em 2010, pois, apesar de muitos estorvos, creio que pude tirar algumas lições e experiências inusitadas (apesar de alguma resistência em escrever sobre isso).

Aprendi em 2010 que:

Tomar conta de uma congregação não é tão fácil como se imagina, mas também não é tão difícil como nos dizem.

Aprendi que, sorrir quando se quer chorar é um choro em dose dupla. Que o livro de Eclesiastes nem sempre é terapia pra quem não vê sentido na vida, e que às vezes existir torna-se insuportável.

Aprendi que os adolescentes, por mais imaturos que sejam tem muito a nos ensinar. Que é fácil se apaixonar, e que falar eu te amo quando se ama mesmo, faz bem.

Aprendi que ser apologético dentro das instituições religiosas não é fácil, muitas vezes é sinônimo de herege. Que quando você ler muito sobre filosofia e teologia, os irmãos começam a ter medo de você, e isso leva a outro sentimento mais idiota, que é a raiva, chegando então ao fastígio da asneira, que é a inveja.

Aprendi que é tolice reprimir seus sentimentos, seja qual forem eles – alegria, ciúmes, tédio, raiva, tristeza, etc., pois, sobrepujar esses sentimentos nos leva a hipocrisia. E a mesma (a hipocrisia), que muitas vezes é inerente ao ser humano, se torna um vício, assim podendo conseguir tudo, menos a moderação.

Aprendi a ser seletivo nas minhas amizades, e que ninguém, absolutamente ninguém, escapa do domínio de nos machucar. Que as pessoas que nós mais amamos são aquelas que nos causam mais dor. E que Shakespeare talvez estivesse errado ao afirmar que nós não poderíamos chegar à plenitude do sofrimento.

Aprendi que ler sobre o sofrimento não alivia a dor. Ser conhecedor do sofrimento não adianta muita coisa quando o mesmo te assola, e tenho bases muito fortes para assim pensar, Salomão, Shopenhauer e Lewis dissertariam sobre isso com maestria.

Aprendi que nem sempre é verdadeiro quando a psicologia diz que um suicida se mata numa busca desesperada pela vida – que na forte vontade de viver, uma pessoa se mata, na verdade, tentando matar a dor que o consome. A falta de esperança – muitas vezes a ausência total dela – leva-nos a desconfiar da existência de Deus, e isso chega a ser literalmente o puro inferno. E isso é mais um motivo para crer que Shakespeare talvez estivesse errado.

Aprendi que ainda nem sempre consigo lidar com os meus sentimentos, fraquezas e carências morais. Que sou pequeno, e muitas vezes tenho dificuldades de reconhecer isso. Que ainda continuo sendo um canalha mentiroso, e as pessoas que chamo de amigos não são menos que isso. Que não existem monstros ou santos. Todos somos flamas oscilantes.

Aprendi que os virtuosos não são aqueles que dissertam magistralmente bem sobre a virtude, e sim os que a praticam. O problema com a virtude está em que ela é muito fácil de simular, e os peritos nessa simulação são justamente os perversos. Eles falam bem o que é correto, mas fazem bem o que é errado (Brabo, 2009).

Aprendi que perdoar grandes erros não é fácil. Que dar tempo ao tempo é uma droga (penoso). Que viver não é o mesmo que existir. Que trabalhar faz bem. Que ficar sem trabalhar também faz bem. Que ser cristão não é o mesmo que ser evangélico (nos contextos contemporâneos). Que orar de verdade não é fácil. Que fugir da hipocrisia também não é fácil. Que beber bebida alcoólica não é pecado (e ainda evita mal de Alzheimer). Que mentimos porque realmente funciona.

Enfim, essa é uma suma de algumas experiências que decorri esse ano. Um ano daqueles que não farei muito esforço para buscar recordações.

©2010 Lindiberg de Oliveira