Vitória, bênçãos e outras coisas

segunda-feira, 6 de setembro de 2010 Postado por Lindiberg de Oliveira

Há muito tempo tenho observado o caráter da mensagem evangélica contemporânea, e isso tem deixado minha alma dilacerada. Ora, hoje a mensagem evangélica está baseada em três pontos: Vitória, bênção e promessas. “Hoje é o dia da sua vitória, corre atrás da sua bênção, as promessas do Senhor cairão sobre você esta noite”, frases como essas passou a ser repetidas quase todos os dias em nossos cultos. É triste, mas a pregação evangélica hoje se resume nessas três vertentes. É muito comum vermos Programa/igreja Vitória em Cristo, culto da vitória, campanha conquistando as promessas, etc., etc..

Não tenho nada contra vitória, benção e promessas, mas, o cerne do Evangelho está longe de se basear nessas três abas, segundo o contexto que elas são propagadas. Ora, segundo Jesus o abençoado muitas vezes é aquele que é perseguido e caluniado (Mt 5.11). O escritor aos Hebreus diz que muitas vezes aqueles que dão um bom testemunho por meio da fé não recebem a promessa (Hb 11.39). Paulo diz que o vitorioso é aquele que passa por varias tribulações a fim de entrar no reino de Deus (Atos 14.22). A Bíblia não tenta em nenhum momento, vender uma mensagem triunfalista cheia de ilusões tendenciosas. Definitivamente não.

As Escruturas nos ensina claramente que Jesus nos instruiu a andar pelo caminho da simplicidade sem almejar as coisas altivas. Hoje é comum assistirmos pastores pregando que não devemos nos conformar com o bom, com o pouco, devemos querer o melhor, temos que exigir e declarar. E o que me intriga é que, o único momento em que Bíblia diz pra não nos conformarmos com algo é em Romanos 12 “E não vos conformeis com este século, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente...”. O versículo já diz tudo. Não devemos nos conformar é com o jeito que anda este mundo, e não com o meu carro velho, com minha casa de tábua, com a minha bicicleta, etc. E no mesmo capitulo Paulo nos exorta dizendo: “... não ambicioneis coisas altas, mas acomodai-vos às humildes...” (Rm 12.16 AC). Esse verso é um tapa na cara desses teólogos da prosperidade, pena que eles só lêem o que é conveniente pra eles.

Há muito tempo não vejo uma pregação expositiva pessoalmente. Estão nos ensinando a fazer de Deus a nossa empregadinha. Aliás, estamos indo aos cultos não pelo que Deus é, mas, pelo que ele pode fazer por nós.

Recentemente Marco Feliciano veio pregar em minha cidade, e, adivinhe sobre o que ele falou? Benção, vitória financeira e promessa. Sem contar que dos 15 minutos que consegui ficar naquele ambiente dez foi só falando sobre si mesmo, de como ele conseguiu chegar naquela posição, que era pobrezinho coitado, chegou a dizer que perdeu toda sua juventude pregando o Evangelho.

Estou saturado de tanto ouvir as mesmas pregações, as mesmas referências bíblicas, os mesmos jargões, os mesmos gritos roucos, etc., etc., etc. Muita gente boa está sendo machucada com isso tudo. Pessoas que entram nas igrejas ouvem essas mensagens e não vê suas vidas serem mudadas, Não vê benção, vitoria e muito menos essas promessas segundo o contexto que elas são pregadas hoje em dia. Essas mensagens vão se tornado um tipo de entorpecente, uma droga mesmo, onde as pessoas ouvem e ficam anestesiadas. Mas uma hora o efeito acaba e nós temos que fazer uma escolha, ou nós caímos na real, ou voltamos a se drogar caindo num vício maligno.