Meias verdades

sexta-feira, 3 de setembro de 2010 Postado por Lindiberg de Oliveira

Por Kallil Sousa

Analisar o mundo contemporâneo de uma forma reflexiva e critica não nos parece uma tarefa fácil, quanto mais em um mundo mais e mais globalizado onde as informações nos chegam aos quilos todo segundo.
Partimos de um principio de que a analise está sempre subordinada ao analisador. Como disse certa vez o escritor Leonardo Boff “Um ponto de vista é sempre a vista de um ponto”.
Nesse ponto, entramos uma questão interessante, de que alicerce refletimos sobre a vida? Qual o nosso ponto de partida para priorizarmos nossos conceitos e ideologias?
Todos gostamos de opinar sobre tudo e todos, chegando ao ponto de acharmos que todo aquele que discorda do nosso ponto de vista esta errado.
Temos motivos para pensar que muitos de nossos argumentos são condicionados por fatores que nos atingiram de alguma forma relacionado ao fato do qual falamos. Uma criança não falará bem do cachorro “querido” do vizinho se este o morder, da mesma forma sempre temos um “mas” a falar de alguém que “pisou em nosso pé” (mesmo que seja uma excelente pessoa que apenas cometeu um deslize). Somos tão parciais e unilaterais, regidos por sentimentos e distorções da realidade que chegamos ao ponto de não sabermos os “rudimentos da doutrina de Cristo” (Hebreus 6:1).
Depois de tudo isso onde mesmo queremos chegar? Talvez soe pretensioso, mas queremos chegar aos alicerces do que é a verdade. O que ela é? De onde veio? Para que serve?
A verdade não pode ser relativizada e esfacelada em pequenos pedaços onde cada um escolhe a seu bel-prazer a parte que lhe interessa, não procede de dentro de cada um como pensam alguns filósofos da modernidade e nem é algo subjetivo como pensam outros.
Ela (a verdade) tem que ser transcendente e ao mesmo tempo concreta, uma estrada que nos leva a algum lugar e não á um labirinto que confunde. Tem que nos esclarecer as duvidas por ser o repudio a tudo que é mentira e nos ilude, tem que nos dar vida através de seu conhecimento.
Infelizmente vemos “verdades” sendo criadas dias após dia em nosso meio por “homens ímpios, que convertem em dissolução a graça de Deus, e negam a Deus, único dominador e Senhor nosso, Jesus Cristo.(Judas 1:4)”
Mas todos aqueles que têm o Espírito de Cristo dentro de si sabem que a verdade é imutável, permanece para sempre, que nossa opinião pouco ou nada vale a seu respeito, só nos restando anunciá-la aos quatro cantos do mundo. Independentemente de todas essas meias verdades que surgem dia após dia em nosso meio. “Disse-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim. (João 14:6)”
Só nos resta escolher, ou o labirinto de nossos “achismos” filosóficos ou a estrada reta que conduz a perfeição.
“Não vos escrevi porque não soubésseis a verdade, mas porque a sabeis, e porque nenhuma mentira vem da verdade”. 1 João 2:2