Heróis da Fé e Alma Sobrevivente

quarta-feira, 28 de abril de 2010 Postado por Lindiberg de Oliveira

No fastígio da minha imaturidade cristã, li o livro Heróis da Fé de Orlando Boyer. Foi fascinante viajar pelas biografias de Martinho Lutero, João Wesley, Jorge Whitefield, etc.. Ler sobre cada lágrima derramada daqueles santos de Deus foi estarrecedor. Imaginar cada ato de fé descrita no livro envolvia-me em sentimentos de pequenez extasiante. Lembro-me que antes mesmo de terminar cada capitulo que estava lendo, direcionava-me em oração, suplicando ao Senhor para me revestir daquela unção, e me levar as mesmas atitudes daqueles homens. Foi uma experiência maravilhosa ler Heróis da Fé, e, creio que não sentiria a mesma coisa se lesse hoje.

Diferente de Heróis da Fé é o livro de Philip Yancey Alma Sobrevivente. Yancey coloca em pauta treze pessoas que causaram um impacto incomum em sua vida. Homens e Mulheres que se tornaram seus mentores. Companheiros de caminhada, próximos e distantes, que, de alguma maneira, foram influenciados por Jesus Cristo. A frase "Sou Cristão, Apesar da igreja", que se encontra na capa do livro soa como um grito veemente no dia em que se chama hoje. Yancey foi excepcional descrevendo Martin Luther King, Gandhi, Tolstoi, Dostoievski, entre outros, vários desses não se vincularam a nenhuma instituição, mas, por outro lado, incorporaram o espirito de cristo de uma forma devastadora. Yancey descreve de forma magistral suas vitorias, derrotas, medos, fraquezas, etc..

Confesso que hoje me sento mais a vontade lendo Alma Sobrevivente do que Heróis da Fé. Boyer delineia Lutero, João Wesley, Jorge Whitefield, entre outros, de forma muito totêmica, colocando-os como homens invulneravelmente ao pecado. Vemos as agruras dos heróis da fé, mas não vemos seus deslizes, suas fraquezas. Não quero aqui questionar a intenção de Boyer, pois, sua obra também foi escrita de forma excelente, mas, hoje olhando numa ótica bilateral, vejo que ele "totemisou" - creio que sem intenção - esses personagens históricos. Yancey caminhou num rumo diferente, falando sobre um pastor viciado em sexo, mas, ao mesmo tempo cheio da graça de Deus quando desferia seus sermões. Depois segue falando de um escritor que quase enlouqueceu por não conseguir abraçar a risca o sermão da montanha, dando assim um mau testemunho para sua mulher e filhos. Fala também de um advogado que - segundo relatos de seus contemporâneos - foi o homem mais parecido com Jesus em sua época, mas, infelizmente não aceitou o cristianismo como religião. Yancey não esconde os tropeços de Martin Luther King, Tolstoi, Gandhi, e muitos outros. Alguns cristãos fazem restrições à genuinidade da fé desses homens por causa de suas fraquezas. Estes cristãos deveriam rever a lista das excepcionais pessoas de fé de Hebreus 11, uma lista que inclui desviados morais como Noé, Abraão, Jacó, Raabe, Sansão e Davi. Não sou digno de está entre os heróis da fé de Hebreus 11, muito menos entre os Heróis da Fé de Orlando Boyer. Mas me sentiria bem à vontade entre as Almas Sobrevivente de Philip Yancey.

Hoje vejo que existe um grande abismo entre eu e o Lutero descrito por Orlando Boyer, pois, tenho abundantemente dificuldade em orar duas oras por dia. Minha intimidade com o Senhor não chega a tanto. Se bem que, uma coisa que aprendi com os Heróis da Fé foi orar. Uma lição valiosa.

Recomendo as duas obras, pois, são dois autores com seus pontos de vista, delineando os homens o qual foram sua fonte de inspiração, de forma superlativa, claro. 

©Lindiberg de Oliveira