"Siga-me", disse Jesus

sexta-feira, 15 de janeiro de 2010 Postado por Lindiberg de Oliveira


Jesus resume a moral em duas palavras: "Siga-me" (João 1:43). Todos os outros grandes mestres da moral - Moisés, Buda, Confúcio, Lao Tsé, Sócrates, Maomé - dizem: "Siga meu ensinamento." Mas Jesus disse: "Siga-me." Eles disseram: "Eu ensino o caminho"; Mas Cristo disse: "Eu sou o caminho." Buda disse: "Não olhe para mim, olhe para minha doutrina". Cristo disse: "Venham a mim". Buda disse: "Sejam lâmpada para vocês mesmo". Cristo disse: "Eu sou a luz do mundo".

Os filósofos buscam a sabedoria, Cristo é a sabedoria (1 Coríntios 1:30). Por essa razão, Cristo é a realização da filosofia.

Os moralistas buscam a justiça. Cristo é a justiça (1 Coríntios 1:30). Por essa razão, Cristo é a realização da moralidade.

A diferença entre "siga meu ensinamento" e "Siga-me" é a mesma diferença entre seguir um mapa rodoviário e seguir um carro. Ser cristão não é se preocupar em pegar todos os detalhes corretos do caminho nas indicações do mapa; é uma caçada em um carro em alta velocidade. "Siga-me!"

E quando a caçada termina, e encontramos Cristo, descobrimos que muito antes de começarmos a caçá-lo, Ele é quem a priori já estava a nossa busca. Na verdade, nossa própria busca por Ele é resultado da busca dEle por nós. Nas palavras de um antigo hino:

Busquei o Senhor, depois, soube
Que ele moveu minha alma a buscá-lo, em sua busca por mim.
Não fui eu quem o encontrou, Ó verdadeiro Salvador,
Não, fui encontrado por Ti.

Peter Kreeft, em The Philosophy of Jesus